segunda-feira, 27 de maio de 2013

Uma Gisele e muitos erros

Mais uma vez – não amigos, essa não é a primeira – Vogue Brasil erra feio com Gisele Bündchen em sua capa. Em julho passado, a revista cometeu um erro bizarro na capa estrelada pela über model, e neste ano a coisa é ainda mais tensa. 
Desta vez, temos Gisele exuberante em um clique de Mario Testino e a promessa de uma edição bem quente. Afinal, Body Issue com cliques de Testino não é para qualquer um, né? Mas aí, o pessoal da revista, não satisfeito em ter a bela em um clique incrível do peruano, decidiu inovar e arriscar naquela onda de design moderninho, sabe?
Mas, como sempre digo, nessas horas de ousar, ou você faz direito, ou não faz. Não dá pra ficar no meio do caminho, não dá pra ser just ok, porquê aí a coisa caga de uma maneira tão absurda, que a gente olha pra capa e jura que é mentira. Ou vocês acreditaram logo de cara que essa coisa aqui de baixo tinha saído da redação Vogue Brasil? Cadê designer, gente? Cadê senso estético? Cadê ergonomia visual? Cadê aula de design editorial? Cadê tudo? Ah, só tem Word Art, né?
Miranda, o que você achou?

O primeiro grande problema do trabalho gráfico é a paleta de cores: esse verdinho, com esse azulinho, não dão força para a imagem e, além disso, perdem em leiturabilidade quando sobrepostos à pele bronzeada de Gisele Bündchen. Indo mais longe, formam uma harmonia cromática completamente datada, meio final dos anos 80, início dos anos 90, quando as possibilidades eram muito mais limitadas e tudo era assim, meio primário, sabe? 100% ciano aqui, um mistura simples de ciano e amarelo ali... Sem requinte, sem uma quebradinha na saturação...
O segundo problema grave é a escolha da tipografia: Ok, aquela fonte serifada delicadinha e cheia de curvas que eles vinham usando – que eu acho horrorosa, por sinal –, não combina com a força desta capa. Por ser muito mais agressiva, quente e gráfica, a foto pede um tratamento tipográfico mais moderno e marcante, mas daí o povo vir e selecionar uma tipografia completamente corriqueira, com ares Arial Bold, e trabalhar somente com minúsculas não dá! Se não queria caixa alta e baixa, que fosse logo para tudo maiúsculo, garantiria maior impacto e, não teria esse problema de achatar as descendentes dos caracteres. Sério, esse P tá ridículo. E, não quero nem comentar que a tipografia escolhida parece ter sido distorcida para incorporar um itálico... PODRE!
O terceiro problema, na minha opinião, o mais preocupante de todos, é a diagramação: nesta opção por trabalhar diagonais, além de não criar nenhuma linha harmônica, de não favorecer a leitura, de ser extremamente desconfortável visualmente, de não agregar nenhum valor conceitual à imagem de moda, não tem o mínimo que se espera de uma capa de revista: Hierarquia de informação! Não consigo identificar um ponto de destaque, não consigo ver o que é mais relevante para a publicação e, não, não consigo entender a lógica da construção dessa mancha de texto. É cada um indo pra um lado e seja o que o diagramador/micreiro quiser!
Outro probleminha, que acaba sendo uma bobagem no meio disso tudo, é esse Mario Testino no meio da Gisele. Sensação minha ou vocês também acham que ele tá meio que cortando ela ao meio?
Pra finalizar, gostaria apenas de mandar um recado para a Vogue: gatos, tô superdisponível para freelas e, garanto que em meia hora faço uma capa melhor que essa aí. Duvida? Manda o material aberto lá no e-mail que posto aqui no blog amanhã!
Bjos, me contratem!

11 comentários:

Risos disse...

Efeito "criativo" do novo Diretor Criativo...tsc tsc. Alias, criativo nada, porque ele é bom em copiar as edições internacionais, e nem isso faz direito!

Bruka disse...

Ai o conservadorismo...

Felipe Monteiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodrigo Pickersgill disse...

Das bancas.... e o seu portfólio em... ele sim é bonito ??? ahahahahahahhahaha seu lixo

Faby disse...

A Vogue Brasil consegue se superar a cada mês,no péssimo sentido.Tem tanto photoshop na foto da Gisele que até os olhos dela ficaram artificiais.Melhor se tivessem colocado a Debora Nascimento nua,numa pose bem elegante ,aí sim,a capa seria show.Mas claro ela sem aquele ogro do Jose Loreto.

Thiago Muniz disse...

OI Rodrigo, tenho muito orgulho do meu portifólio, inclusive, se quiser, pode dar uma olhada aqui:

http://cargocollective.com/thimnz

bjos.

Eufrasio Vieira disse...

Thiago sempre gostei dos seus comentários (críticas), mas desta vez eu discordo. Depois daquelas perucas mal posicionadas da Naomi na edição passada, essa está há anos luz.

BH BITCHES BLOG disse...

Aqui foi o 1º lugar que vejo que tem pessoas que gostaram da capa

No FB da VOGUE BRASIL virou motivo de piada nos comentários

lualves disse...

Oi Thiago,
aproveitando o comentário do Rodrigo, dei uma olhada no seu portfólio. Não encontrei os trabalhos editoriais, estão em algum outro site? Só encontrei flyers de festas,trabalhos academicos e logos estranhos. Me ajuda? beijos

Robson Novaes disse...

Na minha opinião o pior ponto dessa capa é a legibilidade, não tem destaque na banca, isso comercialmente não funciona mesmo. Concordo que não foi feliz na escolha da tipografia tb.

Mas eu acho que o designer ousou e não acho que essa seja a pior capa do mundo. Ele não usou itálico em nenhum momento, me parece que ele usa uma espécie de grid isométrico, dá uma olhada na frase "na edição especial por mario testino", a frase forma um "cubo" 3D, que na proporção acontece isso mesmo, a fonte leva uma certa "achatada", não acho um crime tipográfico.

É normal que as pessoas olhem torto para o diferente, mas uma coisa é certa, eles conseguiram um certo destaque com essa polêmica!

kkk Espero que eu não tenha viajado

Bell C disse...

Os fãs baba ovo da "Gigele" que me perdoem ,mas foi a época em que apenas sua presença segurava alguma coisa.Mario Testino estava meio baquiado quando a fotografou,o editorial com a gaúcha é o piorzinho dessa edição de junho.Possível candidata de pior edição de 2013.

Postar um comentário | Feed



Blog Widget by LinkWithin
 
^